Jornalista Tom Barros: “Enquanto não for restaurado o respeito às emissoras de rádio, o Castelão para mim será motivo de decepção.”

jogada

COLUNA – Tom Barros

tom@diariodonordeste.com.br

29.07.2014

Respeito

Enquanto não for restaurado o respeito às emissoras de rádio, o Castelão para mim será motivo de decepção. E lá só pisarei se obrigado por dever profissional, jamais por espontânea vontade. O Castelão, que aí está, foge da destinação original, idealizada pelo governador Plácido Castelo, tão bem defendida pelo saudoso comentarista Paulino Rocha e pelo deputado Aldenor Nunes Freire. Eles queriam um Castelão para o povo, não para o privilégio de um grupo gestor. Deixar sem cabine as emissoras de rádio é escarrar na face dos que com veemência lutaram pela construção desse estádio na década de 1970. Não consigo entender um obra pública, erguida com dinheiro público, agora nas mãos de terceiros. O Castelão deixou de ser do povo. Há muito tempo.

Rádio

Antes dos estádios, foram as emissoras de rádio que pugnaram por suas construções. Assim no PV, assim no Castelão. Vejam as fotos da época de inauguração do PV. Lá estavam duas cabines de rádio, feitas de madeira, mas altivas porque vozes de cronistas que fizeram campanha pela construção do velho Estádio Presidente Vargas.

Respeito II

Vejam o PV de agora, modernizado, dentro do que a Fifa exigiu. Pois bem, lá estão dezenas de cabines de rádio estrategicamente situadas. Respeito a uma tradição que veio de 1941 até os dias atuais. Na reforma do PV, os engenheiros e arquitetos trocaram ideias com as entidades da crônica e tudo saiu perfeito, como em outros estádios brasileiros.

No PV respeito e atenção

No Estádio Presidente Vargas, o tratamento dado pelos funcionários aos torcedores e cronistas é muito bom. Nada de privilégio senão a natural manifestação de respeito e elegância de quem está preparado para o exercício da função. Já no Castelão dissabores são registrados em todas as áreas. Prova está nas reclamações da torcida do Fortaleza no sábado passado. Elogios, pois, ao tratamento cordial, atencioso que só encontro no PV.

Promessa

Agora, o gigante Castelão sem espaço para cabines de rádio. Durma-se com um barulho desse. Havia cabines de sobra no anterior, antes da reforma. Implodiram-nas. Correto teria sido, no novo projeto, modernizá-las. Optaram por destruí-las. Houve a promessa de que, após a Copa, seriam construídas novas cabines. Promessa, só promessa.

Basta

De promessa estou cheio. Aliás, já basta tanta promessa que vem por aí na campanha política. Quero resposta concreta sobre o tratamento que será dado aos profissionais de comunicação no Castelão. Não estou pedindo favores nem privilégios. Estou pedindo respeito. Não quero o luxo dos camarotes, mas de volta as cabines funcionais.

Contraste

Ferruccio Feitosa é educado, distinto, respeitoso. Sou admirador da sua maneira de bem tratar as pessoas. Sei do seu amor pelo Castelão, pois dele foi o gestor maior. Mas lamento dizer que não estão à sua imagem e semelhança os que agora se arvoram de "donos" da nova praça. Com estes o relacionamento azedou como em boa hora o Diário do Nordeste denunciou.

Intolerância

Certamente o leitor deve estar surpreendido com a postura contundente que assumi nas observações de hoje. Deixei de lado o tom moderado que costumo usar, mesmo quando o assunto é grave e polêmico. Motivo simples: minha paciência esgotou. Minha tolerância chegou ao fim. Não suporto ver meus colegas cronistas tratados como intrusos ou como se estivessem pedindo favor. Todos estão trabalhando. Abro as baterias em defesa da classe. É apenas o começo.


A diretoria da APCDEC apoia o cronista esportivo Tom Barros e se solidariza em suas manifestações tanto na Rádio Verdes Mares quanto no Jornal Diário do Nordeste, VAMOS LUTAR para que em breve seja encontrada uma solução inteligente para todos os descaminhos e transtornos gerados pela atual administração do Castelão.

APCDEC E ARENA CASTELÃO SE REUNEM PARA TRATAR DE ASSUNTOS DE INTERESSES DOS PROFISSIONAIS DA CRONICA ESPORTIVA

Reunião Castelão - Apcdec

Hoje, 18/07/2014 A diretoria da APCDEC esteve reunida com os gestores da Arena Castelão para tratar entre outros assuntos de melhorias para que a cronica esportiva possa desenvolver com qualidade e excelencia suas funções profissionais conforme determina a Lei Federal nº 12.395, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff, em 16 de março 2011, que altera e consolida a Lei Pelé (Lei 9.615/98), o preceito legal que rege o esporte no Brasil, traz importante decisão em prol das Associações de Cronistas Esportivos, dentre elas a APCDEC, de autoria do Senador Álvaro Dias, o artigo 90, alínea F, reza que:

“Os profissionais credenciados pelas Associações de Cronistas Esportivos quando em serviço têm acesso a praças, estádios e ginásios desportivos em todo o território nacional, obrigando-se a ocupar locais a eles reservados pelas respectivas entidades de administração do desporto”.

Com a lei, o credenciamento de imprensa permanece exclusivo das associações estaduais, chanceladas pela Abrace. Munidos de suas carteiras, os cronistas esportivos têm garantido seu acesso aos jogos de quaisquer modalidades, não apenas o futebol, nas áreas reservadas para a imprensa: cabines, gramados, pistas, salas de coletiva e outras instalações. O assunto é tratado, igualmente, no Regulamento Geral das Competições da Federação Cearense de Futebol e Confederação Brasileira de Futebol.

Nesta reunião estiveram presentes, O Jornalista Ciro Câmara coordenador de comunicação da Secopa, o Advogado Eduardo Ramos coordenador jurídico da Secopa e representante do Secretário da Secopa Ferruccio Feitosa, o Sr. Jean Pereira Diretor de Operações da Arena Castelão, os diretores da APCDEC presidente Jornalista Edilson Alves, o vice presidente Radialista Alano Maia, diretor de Marketing Administrador Gualber Calado e o diretor financeiro radialista Morais Filho que também representou o presidente da ABRACE Dr. Aderson Maia Nogueira.

Para o jogo que será realizado amanhã (19) entre Ceará x Icasa a estrutura que atenderá a imprensa esportiva ainda estará improvisada, mas os gestores da Arena Castelão logo em seguida (próximas semanas)  irão dar segmento na conclusão de uma estrutura definitiva com mais conforto e segurança, além de melhorar a acessibilidade dos profissionais de imprensa em dias de jogos.

A direção da APCDEC se colocou a disposição da gestão da Arena para juntos encontrarem sempre o melhor caminho para que os espetáculos esportivos no estádio seja sempre movido de sucesso em seus resultados, isto é, com qualidade de informações para o principal cliente deste valioso equipamento o torcedor.

20140718_10250920140718_102557Reunião Castelão - Apcdec20140718_102609

Juazeiro do Norte-CE: Morre Foguinho, um dos ícones do rádio esportivo do Ceará

A diretoria da APCDEC vem muito consternada comunicar o falecimento do cronista esportivo Francisco de Assis Silva (Foguinho) , nesta terça-feira(14), vítima de Ataque Cardíaco.
A crônica esportiva cearense está literalmente de luto e solidariza-se com a família do Francisco de Assis Silva (Foguinho) neste momento de dor e saudades, rogando a Deus que o acolha de braços abertos na casa do Pai.
A DIRETORIA.

Fonte: Demontier Tenório (http://www.miseria.com.br/?page=noticia&cod_not=124370)

Foguinho agradecendo as homenagens pelos seus 50 anos de atividades no rádio
(Foto: Agência Miséria)

Já disseram algumas vezes e não custa nada repetir que em qualquer momento que se for escrever a história da radiofonia esportiva cearense e brasileira, o nome de Francisco de Assis Silva (Foguinho) deverá estar presente. O coração de um dos maiores ícones da cronista esportiva estadual parou de bater nas primeiras horas desta terça-feira no leito de um dos hospitais de Juazeiro do Norte. A morte de Foguinho deixa um legado para a posteridade de trabalho, superação e companheirismo.
Ele morreu aos 69 anos de idade vítima de um coração que foi implacável com o mesmo diante de uma voz que arrebatou emoções nos seus gritos de gols pelo Brasil e até no exterior. Foguinho sempre foi um homem irrequieto e exemplo de profissional correto e apaixonado por aquilo que fazia. Onde a bola estivesse rolando ele ia ao encontro, pois não suportava viver distante do futebol e sem transmitir as alegrias que este proporciona sabendo até, com suas palavras, reduzir o impacto das tristezas.

Ao lado do seu compadre e amigo Wilton Bezerra, Luiz Carlos e Eimar de Lima
(Foto: Agência Miséria)

Muitos aprenderam com o mesmo quando dava os seus primeiros passos no rádio e não eram poucas as vezes que incentivava e orientava. Recentemente, ele lançou o livro “Foguinho Vida e Obra” contando em 44 páginas os seus feitos, cuja história ali narrada deve servir de exemplo em qualquer atividade profissional. A obra deixou muito claramente a sua profunda convicção de que as dificuldades eram apenas desafios e não barreiras intransponíveis para quem ousa, tem determinação e vontade de chegar.

O sorridente Foguinho com parentes, colegas radialistas e empresários
(Foto: Agência Miséria)

Para o seu compadre, amigo e colega radialista Wilton Bezerra, essa foi a grande lição da vida de Foguinho a todos nós. Um homem obstinado que viveu boa parte de sua vida com um microfone em punho, olhos no gramado e a busca por transmitir emoções. Não foi com facilidades que se tornou um dos mais respeitados nomes da crônica esportiva. Soube cultivar amizades por onde passou e, quando poucos acreditavam, levou o rádio do interior a transmitir Copas do Mundo.

Em momento de descontração com o também narrador esportivo Batista Fonseca
(Foto: Agência Miséria)

Mesmo falando apenas o nosso idioma, lá estava Foguinho com a cara e a coragem. Sua inquietude não o deixava ficar em casa quando a bola rolava e prometia emoções. Nem as complicações cardíacas e a visão sacrificada lhe tomaram o microfone das mãos. Insistiu até onde deu sempre disposto para mais uma batalha da vida, pois desafios eram com ele mesmo. Será difícil ver a tribuna de Imprensa do Romeirão sem sua presença alegre e "Fogo" deixará muitas saudades. O velório acontece no Centro Anjo da Guarda com sepultamento previsto para esta quarta-feira 15/07/2014. Aos internautas do Site Miséria, uma série de gols narrados por Foguinho para ir aplacando um pouco a dor que já invade os corações dos torcedores, parentes e amigos.

Ouça aqui gols narrados por foguinho:

https://soundcloud.com/sitemiseria/gols-de-foguinho

NOTA DE REPÚDIO – Caso Rádio Iracema de Ipú – CE

  

NOTA DE REPÚDIO

O SINDICATO DOS RADIALISTAS E PUBLICITÁRIOS DO CEARÁ, a ASSOCIAÇÃO DOS CRONISTAS ESPORTIVAS DO BRASIL e a APCDEC, vem de público manifestar o seu repúdio a selvageria ainda existente em nosso Estado. A vítima agora foi a Rádio Iracema de Ipu, que teve queimada toda a sua sede, assim como todo o equipamento daquela emissora, num incêndio criminoso provocado por bandidos que continuam imperando. Com efeito, o crime tirou do ar aquela emissora e seus funcionários estão sem as informações de sua principal emissora de Rádio. Exigimos a apuração desse ato criminoso por parte das autoridades competentes, notadamente a Procuradoria Geral da Justiça e a Secretaria de Segurança Pública, para punir os criminosos travestidos de cidadãos. A apuração e punição dos culpados são necessárias para que fatos dessa natureza não se repitam. As entidades em epígrafe manifestam a solidariedade a todos os que compõem a Rádio Iracema de Ipu.

Justiça.

OBS: PUBLICADA NO JORNAL DIÁRIO DO NORDESTE DIA 28/06/2014.

Apoio: APCDEC